O Julgamento

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Bom dia! :-)

O tarot e sua incrível sabedoria! Nada mais lógico que, às vésperas da virada de ano, apareça por aqui uma carta como o Julgamento. É momento de fazer uma retrospectiva do ano, de tudo que fizemos ou deixamos de fazer, então estamos lidando com energia de julgar, avaliar, colher o que se plantou.

Algumas pessoas olham para esta carta meio de banda... Talvez, receosas em relação às possíveis revelações. No entanto, é sempre bom lembrar que estas tais revelações não caem do céu sem razão de ser, elas são as consequências de atos já realizados.

Aí, fico eu aqui, pensando com o meu teclado: as pessoas reclamam das mentiras e falsidades, mas não gostam de revelação... As pessoas reclamam da vida monótona, mas não gostam das mudanças que acontecem... Então, o que é que o ser humano quer?

Controle absoluto sobre tudo o tempo todo? Mas se cada um tiver o controle absoluto sobre tudo o tempo todo, o controle de um vai entrar em choque com o controle do outro, porque cada pessoa quer uma coisa diferente. E aí? Como faz?

Costumamos relacionar a sensação de segurança e estabilidade com o controle sobre tudo que nos cerca. Quem vos escreve sabe bem do que está falando...rs Passei alguns anos da minha vida assim e posso garantir que os resultados não foram dos melhores. O aprendizado da entrega, da confiança e da gratidão é algo que nos permite atingir algo muito melhor que o controle: a paz.

Este ano não foi um primor... Dizem que sempre achamos o ano que termina horrível e esperamos algo melhor para o ano seguinte. Fiz uma avaliação da minha vida nos últimos cinco anos e cheguei a seguinte conclusão: 2009 foi difícil, alternou dores profundas, resgate de traumas passados, mas também descobertas maravilhosas e fatos importantes... 2010 começou bem, mas a partir de março virou um inferno, com reflexos profundos na minha saúde, e só foi melhorar um pouquinho em novembro... 2011 começou difícil, seguiu bem complicado e entre outubro e dezembro parecia que o objetivo era me enlouquecer, este período talvez tenha sido o pior de toda a minha vida... 2012 começou bem e seguiu bem bonzinho, viu? Do tipo, dificuldades naturais, mas saldo positivo... 2013 foi bonitinho até julho, de agosto até dezembro foi bem desafiador, mas nada que se comparasse a 2009, 2010 e 2011. Então, a conclusão que chego é que as coisas vêm melhorando, apesar dessa maratona que foi o segundo semestre deste ano.

É bom fazermos sempre este tipo de avaliação (Julgamento?) para que não fique a impressão de que tudo sempre piora. Claro que se eu for comparar esses cinco anos com 2005, que foi um ano de êxtase, ou com o período de 1987 a 1992, uma fase bem gostosa e tranquila, ou com alguns anos da infância e juventude, quando tudo é mais gostoso, vai ser até covardia... Mas é preciso enxergar que as dificuldades começaram em 2009, chegaram ao ápice em 2011 e começaram a melhorar a partir de então. Visão clara e objetiva.

O mais interessante é perceber que esta melhora veio muito mais de uma transformação interna do que de mudanças externas. Na verdade, pra ser sincera, o externo mudou, talvez, uns 50%. Fui eu que mudei e passei a encontrar dentro de mim o equilíbrio e a paz para lidar com situações, pessoas, circunstâncias. Não tenho dúvidas que se eu fosse como era há 10 anos já teria pirado vivendo certas situações que vivi, mas - graças aos deuses e a mim mesma - hoje encontro em mim uma fortaleza bem rara de se encontrar por aí. Porque é uma fortaleza calma, paciente, generosa e grata. E muito consciente dos meus próprios limites e com uma percepção clara de até onde eu dou conta e com o foco em mim mesma, sem esperar nada de ninguém.

Escrever tudo isso aqui faz com que eu tenha um sentimento muito positivo em relação a mim mesma neste ano de 2013. Na verdade, eu sinto que consegui algo, mesmo que indiretamente, que é como se tivesse realizado uma das grandes missões que vim para esta vida realizar. Minha alma sorri pra isso, apesar de todos os desafios, tristezas e conflitos que isso gerou. A partir disso, parece que estou mais leve e não fico tão stressada em relação ao que acontecerá depois. De qualquer forma, meu sentimento de dever cumprido já me basta e posso mais calmamente agora buscar o meu caminho, o caminho da felicidade e da autorealização. Também faz com que eu olhe para mim mesma com mais generosidade, enxergando claramente o meu direito aos prazeres, às alegrias e ao conforto.

Recomendo que todos façam este tipo de reflexão e se quiserem compartilhar por aqui, sintam-se à vontade! :-) 

Uma ótima segunda-feira para todos nós!

A imagem veio daqui

2 comentários:

Fernando Augusto disse...

Bom dia, Via!

A energia do Julgamento em dia de Lua coloca no ar uma magia de trazer à tona verdades ocultas, escondidas com uma interferência que vem das partes mais altas de nosso ser, de nossa divindade interior.

Quem deseja descobrir verdades sobre si mesmo, sobre a vida e sobre a sua própria vocação neste mundo de meu Deus?

Quem deseja perceber a si mesmo de forma tal a produzir em sua própria vida uma transformação, uma mudança, um despertar?

Por vezes o espírito se manifesta para nós de uma forma tão poderosa que é difícil não perceceber e ainda assim... e ainda assim nós, muitas vezes, não nos tocamos do fato ou daquela verdade interior que é capaz de nos fazer caminhar mais um passo no sentido de nossa integridade, realização pessoal ou totalidade.

Assumir verdades pessoais, trilhar no caminho da revolução pessoal, reconhecer e seguir o chamado do espírito não é para qualquer um, precisa-se de verdadeira coragem.

"O espírito manifesta-se ao guerreiro a cada momento.
Entretanto, essa não é a verdade total.
A verdade total é que o espírito revela-se para todos
com a mesma intensidade e consistência,
mas só os guerreiros estão sintonizados,
de maneira consistente, com tais revelações".

Devemos perdir ao mais Alto em nós mesmos a necessária iluminação, nada é mais importante do que isto no caminho do auto-conhecimento.

A vida material tem suas demandas mas ela não satisfaz o espírito. Cada um deve tomar a sua cruz, o caminho material representado pela barra horizontal e o caminho espiritual pela barra vertical da cruz. O arcano do Julgamento é o chamado vertical, é o clamor do espírito em nós por Luz.

Luz, mais luz - disse Goethe em leito de morte.

Fica aqui um outro decreto, em sintonia com o arcano do Julgamento e que magicamente com ele se sintoniza:

"Não há nada escondido que não seja desvelado (3vezes) e a Toda Poderosa Presença EU Sou me revela o que eu não devo ignorar" - Livro dos Apelos.

Por vezes a informação que brota no meio do cotidiano, usando as vias mais normais é uma mensagem clara do espírito para nós. Atenção portanto para as sincronicidades do dia.

Para os que se dedicam mais ao caminho espiritual há a chance de acessar de forma intensa a energia do Avatara desta Era de Aquário, esta é uma energia uraniana, de poderosa transformação.

Sinto muito, me perdoa, te amo, sou grato.

F.A.

obs: notem que faz pouco tempo que esta carta apareceu por aqui. Notem também que Mercúrio, o mensageiro celeste, está alinhado com Plutão, o rei do submundo, em Caoricórnio, então as verdades anunciadas, reveladas, descobertas tem o poder de mexer com toda a nossa estrutura (conjunção em Capricórnio).

Clara disse...

" ESPETÁCULO", Tio e Fê e Claudinha.
Grata.