2 de Copas

domingo, 1 de dezembro de 2013

Bom dia! :-)

Um 2 de Copas em ciclo de Justiça bem pode ser a oficialização de uma união, um casamento, se juntarmos as pecinhas: lei + contratos + assinatura + parceria + união amorosa. Mas também pode ser algumas outras coisas...

Sempre que falamos na carta da Justiça, devemos pensar na questão do karma ou lei de causa e efeito. Ações e reações estão em jogo. E apesar de sempre pensarmos nisso sob nossa própria visão é bom, vez por outra, pensar também sob a ótica do outro. Vou explicar isso melhor, ok?

Normalmente pensamos que o outro tem uma atitude e nós reagimos a ela, sob forma de defesa ou protesto. Mas normalmente nos esquecemos de pensar que o outro também costuma reagir a uma atitude nossa. E quem começou essa história? Jamais saberemos!

Assim são os relacionamentos afetivos... E assim permanecerão enquanto se buscar sempre justificativa para as nossas próprias atitudes ao invés de tentar entender as atitudes dos outros. O relacionamento é uma dança muito sutil, apesar de que, às vezes, envolve uma música mais rápida, mais forte, intensa.

O amor que foi descoberto no Ás de Copas, no 2 se torna interação amorosa. Classificar o amor vem sendo o desafio de muitas pessoas no decorrer da história da humanidade, muitos falam do amor intransitivo, do amor em si, o puro e simples sentimento de amor que vibra no coração de cada ser. Outros falam do amor romântico, outros do amor familiar, outros ainda analisam o amor a algo: à natureza, a um projeto de vida.

Muitos dizem que nós não temos condições, por conta da nossa evolução (ou falta dela) de saber o que é o amor em sua essência mais pura. Eu até compreendo esse ponto de vista! No entanto, penso que temos que aprender a lidar com aquilo a que temos acesso, aquilo que chega a nós. Então, sabemos, sim, o que é o amor por alguém, por alguma situação, o amor que nos inspira a escrever, compor, dançar ou cantar. O amor à arte é um dos mais belos que existem, pois expressa a centelha divina que há em nós.

Hoje, pretendo apenas falar do amor que podemos sentir. Já que estamos em um domingo com regência solar, pretendo apenas convidar todos vocês para refletirem como é que vocês veem o amor... Este amor do dia-a-dia, este amor ao qual temos acesso moro meros humanos. E como que vocês, eu, todos nós, podemos trabalhar interiormente, da melhor forma, a nossa maneira de amar.

Particularmente, eu vejo o amor como o foco central da minha vida. É algo sobre o qual sempre penso, pondero, medito. Quero a cada dia ser melhor nisto, na arte de amar. Conseguir amar a mim mesma, apesar do meu olhar crítico (que anda melhorando até), conseguir amar o outro (marido, filho, pais, família, amigos), amar a vida, amar minhas ideias, conseguir trazer ao mundo, através de atitudes amorosas, aquela que é a minha missão nesta existência.

Amar é estar integrado e harmonizado. Amar alguém é estar em conexão com esta pessoa, apesar e acima das diferenças e conflitos. É vibrar amorosamente em relação a ela, mesmo quando ela não percebe, é compreender que a nossa existência está interligada a ela. Amar é ser inteiro e pleno e querer compartilhar isso com o outro.

Amemos, pois... :-)

Ótimo domingo para todos nós!

A imagem veio daqui

2 comentários:

Fernando Augusto disse...

A Justiça promove o corte e a conciliação, é a espada e a balança.

O justo é o que é correto em dada situação, é a aplicação da medida que usamos para os outros em nós mesmos.

É o jogo da dualidade entre razão e emoção, entre espada e taça, entre masculino e feminino, entre a linha e a curva, entre a misericórdia e a impiedade.

O presente da Lei é a verdade de cada um.

Com o 2 de copas este é um presente de amor.

Como no domingo nos dedicamos ao auto-conhecimento podemos dizer que este amor é o encontro da alma com o espírito, é o encontro consigo mesmo.

Cada um tem o que merece e a Divindade nos oferta sempre o amor.

Um dos atributos do amor é ser uma força de dissolução do ego.

Há uma alquimia, dois se fundem numa só para gerar uma terceira força, esta é a idéia do encontro, pois ir contra e unir-se envolve o poder dos opostos que se complementam, há atrito e há atração numa combinação perfeita que forja o ser verdadeiro.

Duas copas que se unem e entrelaçam formam o signo do infinito e desenham no campo energético o caduceu de Mercúrio e os canais de energia do Sol e da Lua, Pingalá e Idá.

A Justiça é uma força de união, de união com a nossa própria verdade e só é temivel para quem vive mergulhado na ilusão, mas até nisto temos a misericórdia da Lei.

Quem poderá a isto compreender?

Sinto muito, me perdoa, te amo, sou grato.

F.A.

Aliks disse...

Oi ...
... dia 21 de Outubro entrei no ciclo d'A Imperatriz ... e hoje me surpreendo renovando os votos com a mesma Imperatriz ...

Tenham todos uma semana abençoada e super fértil em todos os sentidos !!!