A Temperança

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Bom dia! :-)

Um novo ciclo começa aqui! Achei perfeita esta transição de 6 de Copas para Temperança! Um reflexo de que o resgate e cura desta criança que existe dentro de nós resulta em transmutação e equilíbrio.

A Temperança é linda! Mas nem sempre gostei tanto assim deste Arcano. Parece incrível, mas durante muitos anos a Temperança era, pra mim, tão problemática quanto cartas como Enforcado e a Roda da Fortuna (sim, eu implicava com ela também).

O processo de simpatia ou antipatia com determinado Arcano vai muito além do simples significado da carta. Por exemplo, uma pessoa que quer ter liberdade total e ao mesmo tempo o controle sobre tudo que acontece em sua vida pode implicar tanto com o Enforcado, que a deixa presa, limitada, quanto com a Roda da Fortuna, que traz situações totalmente inesperadas, e com a Temperança, que ainda pede paciência! rs

Mas, graças aos deuses todos, o tempo passa e a gente vai se observando, se entendendo, se transformando. E descobre também que a Temperança é a grande responsável por todo esse processo interior, é a alquimia que mistura duas coisas e transforma em uma terceira que não é mais a soma das duas. Aliás, vocês sabiam disso? Que este é um dos conceitos fundamentais da alquimia? Juntar elementos que ao se unirem viram outra coisa e não se encontra mais traço algum deles naquela composição. Fantástico! Eu fico fascinada com essas coisas! :-)

Bem, hoje é quarta-feira, né? Fico pensando nas diferentes maneiras de se alquimizar através das palavras, faladas ou escritas. Que tal? Que tipo de transformação podemos operar através da nossa comunicação? Que tipo de energias podemos acessar?

Em primeiro lugar, vamos pensar na transformação interior, nossa. A primeira pergunta é: o que eu quero transformar em mim? Depois devemos elaborar frases, como mantras, que expressem exatamente a situação que queremos como resultado. Podemos repeti-las, podemos escrevê-las, várias vezes em um caderno, tentando sempre sentir todas as emoções associadas ao que estamos expressando.

Agora se usarmos o bom senso e o amor, também podemos usar isso em algo que gostaríamos de transformar outras pessoas. Mas lembrem-se da parte do bom senso, ok? rs Ou seja, nada de tentar fazer com que o Johnny Depp se apaixone por você...rs Mas tá valendo tentar eliminar um medo ou fobia de um filho, uma ansiedade de uma amiga, o mau humor do namorado ou namorada, a perseguição da sogra...rsrsrs Basta escolher bem as palavras e usá-las com foco e Vontade conforme vai falando, trabalhar o tom de voz, o ritmo. O objetivo é o bem do outro e/ou da relação, por favor, nada de usar isso de forma irresponsável e egoísta (ai, ai, ai... tia Cacau briga!)

Portanto, queridos e queridas, vibrem a Temperança hoje de diversas maneiras e usufruam da paz e harmonia que ela pode trazer. Ótima quarta para todos nós!

A imagem veio daqui

3 comentários:

Fernando Augusto disse...

"O amor é alquímico. Se você se amar, a sua parte feia desaparecerá, será absorvida, será transformada. A energia é liberada daquela forma. Todas as coisas que são chamadas de pecado simplesmente desaparecem. Ame-se. Esse deveria ser o mandamento fundamental. Ame-se. Tudo o mais se seguirá, mas esse é o alicerce." Osho

Tem certos dias que não temos vontade de escrever porque nos sentimos completos, plenos, preenchidos, em equilíbrio. O silêncio é suficiente, estamos em paz, há uma indiferença por tudo e uma compaixão imparcial que provem do corpo, de um estado de saúde em harmonia.

A saúde é o silêncio dos órgãos do corpo. O silêncio interior é o estado de saúde da mente. O corpo é a nossa terra e a mente é o nosso céu, quando eles estão em simbiose perfeita podemos chamar isto de saúde e de harmonia.

Corpo e mente em cooperação nos faz sãos.

Neste estado interior encontramos soluções para os mais diferentes problemas.

É a partir do silêncio interior que brilha a luz do nosso ser. Corpo e mente são instrumentos da orquestra do ser. Você pode sentir isto? Se você pode sentir isto você pode perceber a música que a Temperança toca, por isto seu nome também é Arte.

Mesmo com o caos a volta você pode ouvir a música? Mesmo com a desordem do mundo você pode perceber a harmonia mais profunda?

Em você está a música, a arte, basta silenciar para que os conflitos dentro de você formem a mais bela harmonia e façam surgir as mais belas soluções, e isto também é Temperança, Arte e Alquimia.

Sinto muito, me perdoa, te amo, sou grato.

F.A.

Ana Carolina Asc disse...

A temperança é uma carta q me tira o sono qdo sai em tiragens! Mas nada se compara com a roda da fortuna!

Vc já superou sua implicância mas eu ainda travo com ela! Tirei um peladan pra uma amiga sobre reconciliação e vieram justiça na casa 1 , papisa na 2 , roda na 3 é morte na 4 ... Fiquei muito intrigada com as casas 3 e 4 - q considero como caminho e resultado respectivamente.

Acho q a roda trará algo inesperado o q me confundiu pq a morte pode falar de mudanças na situação atual - o rapaz mudando de ideia total tendo em vista a roda - ou de fim total da esperança!

Vc q conhece a roda melhor q eu e já a superou pode me ajuda. Por favor!!!

Grata
Beijos

Cacau Gonçalves disse...

Boa tarde! :-)

Ana Carolina é sempre muito difícil dar pitaco no jogo alheio (vez por outra, falo sobre isso aqui), porque as cartas que saem estão dando um recado a quem as tirou, afinal de contas cada pessoa terá uma vivência e uma visão diferente de cada carta. Além disso, conta muito a sensação que temos na hora do jogo...

No entanto, podemos falar um pouquinho desta combinação Roda/Morte. São duas cartas difíceis de interpretar, na minha opinião, especialmente porque a Morte tanto fala de transformação como de finalização (corte). É preciso estar com a intuição muito aguçada na hora para saber se é uma situação ou outra.

A Roda da Fortuna é sempre um fato inesperado, uma virada, sobre o qual não temos domínio algum. Isso por si só, já incomoda. Mas incomoda muito mais quando o assunto em pausa corre tranquilamente, bem... Porque se vai virar é porque vai deixar de ficar tão tranquilo e tão bem. Quando estamos em uma situação ruim a Roda pode apontar pra uma virada positiva.

Neste jogo específico, repare que temos somente cartas ou muito rígidas, sóbrias ou cartas de mudança. A Justiça costuma fala de algo que "tem que acontecer", como se fosse a consequência de algo que já foi feito e não pode ser mudado. A Sacerdotisa joga pra dentro, silencia, isola, ela transita bem no mundo espiritual, mas tem uma certa dificuldade de lidar com tudo relacionado à matéria. A Roda fala de fatos externos inesperados e a Morte, como é a última carta, (pelo menos pra mim) parece anunciar mais um encerramento do que uma transformação.

Enfim... Somente pitacos...rs Vc precisa perceber o que sente diante das cartas e da situação...

Quanto ao relacionamento com a Roda, ele exige um trabalho interior profundo de entrega, de confiança, de percepção de que tudo que acontece é resultado da energia que vibramos em nós. Não podemos mudar o resultado, mas podemos mudar a energia (que mudará o resultado...rs)

É isso! :-)

beijão!