Príncipe de Ouros

sábado, 9 de novembro de 2013

Bom dia! :-)

É ele de novo, minha gente! rs Para vocês verem como estamos precisando desta força realizadora, que concretiza, que traz para a matéria as ideias, sonhos e projetos.

Sempre que uma carta se repete dois dias seguidos por aqui, fico me perguntando se ainda não aprendemos a lição ou se aprendemos em um sentido e ainda precisamos aprender em outro. Desta vez, creio é a segunda opção.

Se ontem, sob influência venusiana, falamos da importância do prazer junto ou em paralelo ao trabalho, hoje sob influência de Saturno, creio que precisamos focar mais o pragmatismo em termos de trabalho e projetos.

Irônico o fato de termos duas regências que são opostas em certo sentido. Vênus é a beleza, a leveza e o prazer, as relações se destacam aqui. Saturno é soturno, pesado, é o trabalho e a responsabilidade, e, vamos combinar?, não há muito espaço para mimimi de relações e suscetibilidades. Claro que podemos transmutar algumas coisas e fazer nossa Vênus menos deslumbrada e nosso Saturno mais humano! Mas ainda assim estamos lidando, originalmente, com dois aspectos opostos.

Pois bem... E qual é o recado do nosso querido Príncipe no dia de hoje?

Em primeiro lugar, ele chega com uma certa ranzinzice típica de Saturno, dizendo: "gente boa, ok... Vocês estão aí cheios de planos infalíveis do Cebolinha, mas cadê a ação? Tá bonito, tá bacana... Mas vamos levantar o corpinho do sofá e vamos trabalhar, né? Senão isso tudo será somente viagem na Hellman's Airlines"...rs

Nós, humildemente, colocamos as mãozinhas para trás e falamos "sim, senhor... sim, senhor"

Ou seja, aqueles planos, projetos, ideias que vivem engavetados devem pular pra fora e virar realidade. Isso serve bem, por exemplo, para pessoas que sonham escrever livros e até já possuem textos suficientes para uns três livros, tomarem vergonha e colocarem a mão na massa (a seta enorme apontada pra cima da minha cabeça...rs) Serve para todos que passam anos e anos sonhando em fazer algo, mas sempre arrumam uma desculpa para aquilo não acontecer: falta tempo, dinheiro, inspiração, apoio, contatos... Serve para aqueles que ficam com preguiça de trabalhar para transformar ideia em ação... E serve também para aqueles que curtem ter ideias, mas parece que é mais gostoso continuar tendo mais ideias do que colocá-las em prática. Ou seja, serve muito bem para a maioria de nós.

Aí, já calminho, menos chato e mais amigo, o Príncipe de Ouros nos diz: "não é tão difícil... basta dar o primeiro passo. É só começar! Experimentem! E mesmo que dê um certo trabalho no início, com o tempo tudo vai ficando mais fácil, vai fluindo melhor. E mesmo que agir possa significar risco de errar, ainda assim vale a pena o aprendizado do erro, para que mais adiante a realização seja muito melhor, aperfeiçoada" Poxa, até que ele não é tão rígido, né? Dá pra rolar uma diplomacia vez por outra...rs

Então, hoje convido todos vocês a praticar com o Príncipe de Ouros. Menos perfeccionismo, mais humildade na tentativa e erro e mais confiança em seus próprios talentos para que o mundo possa ser brindado com eles.

Ótimo sábado, queridos e queridas! :-)

A imagem veio daqui

2 comentários:

lilith disse...

Bom dia, Via!
Bom dia querida Claudinha!

Bom, vou começar pelo fato do precioso puxão-de-orelhas aqui na minha pessoa que mais projeta do que concretiza. Com o agravante do céu quase me afogando, fazendo mais lama (terra e água) neste momento em específico do que terra firme para sentir debaixo dos pés. Mas este arcano repetido aqui em dia de Vênus e de Saturno, sendo eu mesma uma filha dos dois (caprica do 2º decanato, regido por Vênus, mas ainda assim uma filha de Saturno. E ascendente em Libra, regido por Vênus, com a Vênus natal em Capricórnio)... muito encaixada no repeteco de arcano para não acatar obedientemente os recados. Sinto muito, me perdoa, eu te amo, sou grata. Gratidão pelo lindo recado, inclusive, na minha modesta opinião, perfeitamente afinado com o astral do momento (incluindo Júpiter e Mercúrio retrógrados). _/\_

Beijos,
Lilian

Fernando Augusto disse...

Se uma mulher e um homem são capazes de vencer seus limites pessoais, rompendo paradigmas comportamentais, afirmando-se sobre seu meio e não sucumbindo à ele, sintonizados com a opinião alheia e com a cultura circulante e, ainda assim, autônomos em relação a estas forças sociais podemos dizer que esta mulher e este homem são dignos de sua humanidade, pois do contrário são meros dependentes do sistema vigente, autômatos, carentes de verdadeira autonomia existencial.

A marca registrada da autonomia existencial vem da capacidade de pensar, sentir e agir por si sabendo o que é bom ou mal para si mesmo através da experiência direta em nosso próprio corpo, em nosso próprio ser, provar o fruto proibido e descobrir-lhe o sabor e ser capaz de forçar a porta do paraíso e dizer: eu também sou Deus, esta é a minha herança, venci as provas do desterro e roubei o fogo do próprio Diabo para iluminar meu próprio caminho na direção da casa do Pai-Mãe.

Esta autonomia existencial leva a um inevitável confronto com o meio social, a história pessoal cobra as suas dívidas, seus familiares tornam-se estranhos e só bastante tempo depois você compreende a necessidade de ser inacessível, de saber quando se expor e quando não, de não ficar disponível full time para a procissão interminável das absurdas demandas sociais.

"Um guerreiro-caçador trata intimamente com seu mundo e, no entanto, é inacessível a esse mesmo mundo. Ele o toca de leve, fica o tempo que precisa e depois vai adiante suavemente, quase sem deixar marcas."

A autonomia existencial é uma partenogênese do espírito.

O ser parindo a si mesmo, entre lágrimas e êxtases.

"Um homem (mulher), qualquer homem, merece tudo o que está destinado ao homem — alegria, dor, tristeza e luta. A natureza de seus atos não tem importância, enquanto ele agir como um guerreiro(a)".

Sendo assistido por esta Divina Mãe do Mundo, do qual o "Buda" falou: faço a Terra por minha testemunha.

Ninguém precisa saber de seu esforço, dedicação, vitória e derrotas: a Terra é a nossa testemunha, esta força telúrica profundamente inteligente e amorosa, e o Céu é a nossa guia.

Como um cavaleiro de ouros transpomos os obstáculos tendo a Terra por nossa testemunha e fundamento.

"Os guerreiros não conquistam suas vitórias batendo suas cabeças contra os muros, mas ultrapassando os muros. Os guerreiros saltam sobre os muros; eles não os derrubam".

Sinto muito, me perdoa, sou grato, eu te amo.

F.A.

obs: citações entre aspas do livro A Roda do Tempo, de Carlos Castaneda.