Cultivando o encantamento no relacionamento afetivo

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Outro dia, em meio a um bate papo entre amigos, surgiu uma questão sobre a qual eu AMO falar! Relacionamento afetivo. Não é à toa que ganhei o apelido de Dra Love...rs

Percebo que, de um modo geral, as pessoas estão mais interessada em saber como conseguir um bom relacionamento afetivo. Costumo responder que essa é a parte mais fácil da história! O grande desafio é: como manter um bom relacionamento afetivo... Especialmente porque este querer e essa conquista depende de duas pessoas, não de uma só.

Não adianta que em um casal, apenas um dos cônjuges esteja empenhado em querer a melhoria da relação e o crescimento de ambos como seres humanos. É preciso que os dois estejam dispostos a investir tempo e energia nisso.

Como costumo dizer sempre, não entendo que as pessoas gastem tanto do seu tempo, atenção, energia e até dinheiro para crescer profissionalmente, para se desenvolver em termos acadêmicos e, alguns, para conquistar um corpo bonito e bem cuidado, mas ache total absurdo gastar um mínimo que seja, de seu tempo e atenção, com a vida afetiva. E ainda reclamam... Ou porque a vida afetiva é ruim, insatisfatória, ou quando o parceiro faz as malinhas e vai cantar em outra freguesia, depois de aguentar tanto tempo sendo ignorado.

Ter um relacionamento afetivo-sexual gratificante dá trabalho, ora se dá! E quando alguém argumenta que o amor deve "acontecer naturalmente", está desconsiderando as leis mais simples da natureza. Experimente plantar uma semente em uma terra pobre, não coloque adubo, não molhe, não cuide e veja se ali nascerá algo? Provavelmente, não.

A paixão é uma mistura de furor sexual de intensidade máxima com encantamento, enamoramento. O furor sexual passa, com sorte, em dois anos de relacionamento. Mas, segundo minha observação, se conseguirmos nutrir o encantamento, teremos a possibilidade de dar ao amor (quando essa experiência da paixão se estabiliza e vira algo mais profundo) um "up", uma constante renovação, viço, frescor...

Então, uma amiga me perguntou: e o que se deve fazer para que os relacionamentos, mesmo os mais longos, continuem tendo encantamento? E eu, que adoro fazer listinhas, elaborei umas dicas simples (porém não tão fáceis) e eficazes. No final, a brincadeira entre amigos foi comentar: "ótimo! O problema é colocar tudo isso em prática!" Exatamente... Mas o colocar ou não em prática vai demonstrar o quanto que cada um dá de importância ao parceiro/parceira e ao relacionamento afetivo. E, acreditem, se em um casal somente um se interessa e cuida da relação, esse cuidado e atenção caminham em direção ao vencimento do prazo de validade do relacionamento... Tic-tac...

1)    Atenção: verdade nua e crua é que colocamos nossa atenção nas coisas que realmente têm valor para nós. No começo do namoro a atenção é absurdamente direcionada para o namorado(a), ou seja, damos muuuuito valor à pessoa e ao relacionamento. Com o tempo, vamos nos acomodando, com mais tempo ainda paramos de dar atenção à pessoa... achamos que já sabemos tudo sobre ela (grande mentira, estamos sempre nos surpreendendo até em relação a nós mesmos), então, pra que prestar atenção? Depois de muito tempo os casais param de se olhar. É verdade! Eles tanto param de se olhar nos olhos, quanto param de enxergar o outro... o outro é quase um anexo de si... Então, pra cultivar o encantamento o primeiro passo é perceber a importância da pessoa/relação na nossa vida e OLHAR pra ela.

2)     Ouvir os sonhos e desejos do outro e dar valor a isso, mesmo que pra nós pareça ridículo...rsrsrs E, verdadeiramente, sentir prazer em poder fazer parte deles ou ajudar o outro a realizá-los. É o "eu fico feliz de ver você feliz". O famoso clássico (pelo menos pra mim...rs) Don Juan de Marco, mostra o psiquiatra transformando o seu casamento de tantos anos, quando pergunta para a mulher quais eram os sonhos dela e ela responde "pensei que você nunca iria me perguntar isso". Saber o que está se passando com o outro de mais sutil, que não tenha a ver com os desafios cotidianos, pode ser uma incrível descoberta!

3)    Ter um tempo para o casal... não somente momentos gostosos de passeio, tipo jantar fora, ir à praia... mas até mesmo momentos para não se fazer nada, só ficar um com o outro, em silêncio ou conversando coisas que não são "sérias" (conversar sobre trabalho e dívidas não vale). Com o passar do tempo, os projetos de vida, os problemas que surgem, a preocupação com as finanças, os casais se encontram mais para resolver pepinos e falar de assuntos práticos, do que para se permitir usufruir da presença um do outro. Parece que ficar deitado, juntos, no tapete da sala ou demorar um pouco para levantar da cama ou da mesa de café da manhã é pura perda de tempo! Mas, ao invés disso, são esses momentos que fazem com que estejamos na presença um do outro. Quem não se lembra dos longos minutos, às vezes horas, que passamos, no começo do namoro, abraçados na cama, alternando silêncio, suspiros e conversas sobre sentimentos, filosofias de vida e sonhos? Isso alimenta o amor.

4)    Intimidade sem obrigação de sexo: este talvez seja um ponto muito difícil para os homens... No começo de relacionamento não precisamos disso, pois temos contato corporal constante, estamos sempre querendo transar! rs Com o passar do tempo, a paixão arrebatadora com prazo de validade vencido, somado ao cansaço, stress etc... as transas vão diminuindo de frequência. Até aí, normal! Não precisamos chegar aos 80 anos sendo os performáticos do sexo! Acontece que junto com isso se vai o contato físico, a intimidade e o carinho físicos! Todos os manuais de sexualidade sagrada falam de vários encontros de intimidade sem sexo, para que se chegue a um ponto deliciosamente incrível de realização sexual... os caras sabem das coisas! Então, quando cultivamos um tempo para nos tocar, acariciar, sem fazer sexo, não somente estamos preparando um momento mágico e intenso de expressão da sexualidade, quanto estamos alimentando a intimidade, o contato físico que tem desdobramentos muito mais profundos de união entre um casal.

Claro que temos muitos outros caminhos para conseguir cultivar este encantamento, mas se conseguirmos seguir esses quatro, já está bom demais! ;-) Aproveitando a energia do Diabo, com suas intensidades, vamos colocar esta energia de encantamento no ar!

As imagens vieram daqui, daqui e daqui

6 comentários:

lilith disse...

Boa tarde, queridos!

Magnífico! É exatamente como penso e sinto, foi meu tema de texto ontem também e tem tudo a ver com a importantíssima conjunção de Saturno e Vênus em Escorpião (vida-morte-vida), nos influenciando durante toda esta semana e pedindo uma atenção maior nas relações amorosas. Se há amor é preciso e precioso cuidar sempre. E esta semana em especial, o céu está mostrando isso com mais força aos casais que se descuidaram... uma oportunidade de cura de relacionamentos, com a finalização de muitos, inclusive, por não se sustentarem mais. Da mesma forma, outros tantos serão premiados com a renovação do encanto.

Gratidão!
_/\_

Beijos,
Lilian

Cacau Gonçalves disse...

Oi, Lilian!

Menina, vc não tem ideia da preciosidade de informação que acabou de me passar! Total sintonia não somente com a conversar que originou o artigo, mas com uma situação que acompanho de longe... Incrível! Uma dica geral para todos: fazer Ho'oponopono em casal, os dois juntos, ou quando o parceiro ou parceira não quiser, ou não se ligar nessas coisas, fazer sozinho/a mesmo...

beijão!

Erick Knupp disse...

Gente!!! essa foi importante pra mim tbm... Até pq sou Escorpiano, assim como meu parceiro e tenho meu Saturno e minha Venus em Escorpião. Ta bombando por aqui!

Juliana disse...

Mais um texto fundamental aqui por essas bandas... obrigada Claudinha!! :)
beijos,
Ju

Cátia disse...

amei este post!
K_line

Cacau Gonçalves disse...

Gracias, pessoas queridas!

Outros artigos falando de amorzinho e afins virão por aí... ;-)

beijosss