A Temperança

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Bom dia! :-)

Olha a mudança de ciclo aí! Saímos da Justiça, que nos visitou no domingo e que sempre traz um certo clima de "tchan-tchan-tchaaan" para a doce e suave Temperança, que tem um sabor especial sob a influência de Vênus nesta sexta-feira.

Antes de começarmos a falar sobre a Temperança, vamos falar um pouquinho sobre esses últimos dias... Vocês concordam que estamos em um período tranquilo? Mais do que tranquilo, né? Porque com Rainha de Ouros e Rei de Copas tivemos uma energia bem gostosa.

Podemos dizer que tivemos um ciclo de Justiça positivo, leve, benéfico e com isso concluímos o que? Que o nosso karma está positivo, estamos com saldo na conta, galera! rs Porque a Justiça é uma carta tipicamente kármica, que mostra causas e consequências, mostra processos e seus resultados. Bons resultados são sinal de que os processos foram realizados de uma maneira positiva.

Bem, vamos agora para a Temperança...

Em primeiro lugar, aviso que esta é a terceira Temperança que temos em 2013. Levando-se em conta que estamos no primeiro dia do mês de novembro, isso quer dizer que em 10 meses tivemos somente duas Temperanças! O que isso quer dizer?

Podemos pensar que até agora não houve razão para o tarot nos pedir calma. Será? rs Se eu fosse o tarot me pediria calma toda hora! rs Eu tenho outro palpite... Creio que este é um momento especial, em que devemos criar uma simbiose, hora de olhar para as energias e pensar em como lidar com elas, de forma alquímica e mágica. Quando pensamos em alquimia, temos em vista um processo de transformação! Por analogia, chegamos ao ponto: esta é a terceira vez neste ano que somos chamados a uma transformação profunda e harmonizadora que pode acontecer tanto dentro quanto fora de nós (até porque para acontecer fora é preciso que aconteça dentro).

Outro significado da Temperança é o equilíbrio entre razão e emoção, mente e coração. É o Ar e a Água... A oxigenação da água e a umidificação do ar. Encontrar isso é algo muito bom e muito raro. Portanto, precioso!

Como estamos numa sexta-feira de amorzinho, podemos dar um empurrãozinho nesta Temperança na direção dos sentimentos, dos relacionamentos, dos prazeres. Eu gosto muito! E vocês? ;-)

Ótima sexta para todos nós!

A imagem veio daqui

4 comentários:

Fernando Augusto disse...

Eles não compreendem como, separando-se podem harmonizar-se: harmonia de forças contrárias, como o arco e a lira - Heráclito.

Ontem citei o filósofo Heráclito em homenagem a Beltane, afinal Heráclito sempre defendeu o Fogo como a fonte de tudo o que há e a própria Divindade na Bíblia é definida como um fogo devorador. Daí pode-se compreender por que em certas tradições o Dragão é um símbolo divino. Ele, Dragão, é um fogo devorador. E a qualidade do fogo é liberar a matéria, transformá-la e torná-la cinza. O fogo é um transformador e seu atributo é ser vida e morte. Adoramos a vida e tememos a morte.

O que tememos na morte é a indefinição, aquele salto entre mundos, pois não sabemos se vamos alcançar o outro lado quando um

já foi perdido, é como a paixão desfeita, aquele espaço vazio que ocorre até que sejamos de novo tocados pela graça do fogo do

amor.

Na passagem de um lugar para outro, de um recipiente para outro, da terra para o céu produz-se a ponte do arco-íris, as possibilidades se multiplicam como variáveis de onda no espectro de cores. Este é o arcano 14 do Tarô, a Temperança.

A travessia desta ponte é um mistério, nada é certo, e isto torna tudo mais instigante, apaixonante, envolvente. A natureza da vida é

um fluxo contínuo entre o passado e o futuro onde a mistura dos tempos alquimiza o presente.

Então meu espírito se acende e descobre uma paixão infinita por este efêmero momento.

Descubro a alma como um fluxo do aqui e do agora, entre o corpo e o espírito.

Suspendo o julgamento e sinto o equilíbrio perfeito dos contrários. Grito: - Harmonia!

Depois que isto percebo passo a perceber toda a dissonância gerada pelo meu humano julgamento, uma visão estreita que acredita,

mas distorce tudo por causa desta doença chamada eu, eu, eu.

Não sabemos o que é Justiça. Julgamos precipitadamente os outros. E isto porque não temos Temperança. Mas o caminho que

percorremos aqui é um caminho de misericórdia, pois a Justiça não empunhou sua espada para promover um corte, antes usou da

balança para equilibrar os caminhos, produzindo acordos, harmonias, sobriedade, temperança. É como diz o ponto de Umbanda,

ponto de São Miguel.

A Balança de São Miguel, Ela balanceou
A Balança de São Miguel, Ela balanceou
O mundo estava torto
São Miguel endireitou
O mundo estava torto
São Miguel endireitou

A Justiça é temível para quem deve, mas é amorosa para que age de acordo com a Lei da Vida e esta é Amor. O Amor unifica os

mundos e estabelece o reinado universal da Unidade. Então todos os nossos atos afetam aos outros e a nós mesmos pois somos Um. Esta compreensão visceral permite a harmonia, que é o equilíbro dos contrários, pois tudo o que faço, falo, sinto e penso com relação ao outro vibra em mim mesmo. Bendizer o outro é bendizer-se. Maldizer o outro é cuspir para cima. Somo Um, unidade na

diversidade e unidade dos contrários, dialética universal. Desta unidade amorosa e indivísível e que surge a Lei, a Lei do Carma. Esta lei é uma decorrência direta da Natureza amorosa do Universo. Mas assim como não compreedemos a Justiça como podemos compreender o Amor? Só uma experiência mística de unificação, onde o ego se dissolve na força universal, poderia nos dar uma vaga noção do que é o Amor.

É certo que esta força, o Amor, por ser a própria força da Geração é intensa e implacável em seu poder, mas ela também tremendamente amorosa e inteligente.

Quando ela assume a forma do arcano 14 do Tarot permite em nossas vidas todo o tipo de acordo, de harmonia, de conciliação, de combinação de interesses, afetos e amores. É aproveitar, abrir o nosso coração e deixar-nos levar por esta força de compaixão, de sublime paixão e ser capaz de abraçar o outro como se fosse a nós mesmos. Não há o que temer neste abraço, apenas a perda da ilusão que insiste em dizer eu, eu, eu.

Sinto muito, me perdoa, te amo, sou grato.

F.A.

Clara disse...

"EXPLÊNDIDO" Tio e Claudinha
Cada Dia que Passa aprendo Mais com os dois.
Esta frase que o Sr escreveu:

- Só uma experiência mística de unificação, onde o ego se dissolve na força universal, poderia nos dar uma vaga noção do que é o Amor.

Me fez pensar sobre o Sexo Tantra. Nunca pratiquei mas dizem que eleva os dois a este Patamar.
Grata.

NAMASTÊ!!!

Aldo Luiz Fonseca disse...

Amo vocês. Sou gratíssimo.

Maryssol disse...


Boa tarde Vianautas,

Muito tempo mesmo que nossa querida Temperança não aparecia por aqui.

As postagens estão ótimas, Claudinha e Tio Fê.

Razão e Sensibilidade são a tônica do dia!

Sinto muito, me perdoa, eu te amo, sou muitíssimo grata!

Beijocas,
Maryssol