A Justiça

sábado, 18 de maio de 2013

Bom dia! :-)

Esta semana foi, por aqui, uma avalanche de sincronicidades, sinais, holofotes (piadinha de bastidores com minha amiga Val...rs). Posso dizer que em meio a uma fase meio esquisitona, esta semana foi um oásis! Fichas caíram, recados foram recebidos, dons aflorados, energia renovada, o que estava sombrio se iluminou. Não tenho dúvida que isso foi resultado de uma confluência de coisas! Lugares, pessoas, assuntos, trocas de informações, emoções, energias, revelações.

O Arcano de hoje veio para selar tudo isso, eu não tenho dúvida! Hoje de noite realizaremos mais um trabalho de São Miguel e olhem só quem eu achei fazendo o protagonista da Justiça! rs

Assim é a Justiça! Ela não manda recado! Ela vem e acontece. Isso já seria, por si só, um sinal e tanto em relação ao trabalho que acontecerá hoje! Mas a coisa não para por aí... Hoje é sábado, dia de Saturno, quando falamos de vida profissional e projetos, e o Arcano 8 certamente vem anunciando fatos vindouros.

A máxima que costumo usar para falar da Justiça é: quem não deve, não teme! Quando esta carta aparece em um jogo, ela pode apontar para acontecimentos importantes, que trazem um sentimento de alívio e reconhecimento, claro, quando a pessoa andou na linha. Por outro lado, ele pode vir como um rolo compressor, para quem estava pisando na bola.

A grande dificuldade é saber o que é andar na linha e o que é pisar na bola. Porque cada pessoa terá seu andar na linha e seu pisar na bola particular. Pode parecer estranho pensar que existe certo e errado diferente para cada pessoa? Não é... E é fácil de explicar: para alguém que sempre se submete e não expressa suas opiniões e sentimentos, dar um basta, dar uma "situada" nos outros é o certo. Já para quem é intransigente e irritadiço, calar e exercer a paciência pode ser o mais indicado.

Hoje é um bom dia para fazermos uma reflexão sobre nosso comportamento, de um modo geral, e, especificamente, em relação aos projetos e à vida profissional. Agir de uma forma justa não é ser bonzinho, é fazer o que se deve fazer. Compreender isso exige uma flexibilidade perceptiva grande!

Também podemos pensar sob outro aspecto: talvez uma resolução venha a nos beneficiar, depois de algum tempo que vivenciamos injustiças.

Para refletir: o que eu deveria ter feito (ou não ter feito) e não fiz (ou fiz)? Tem jeito de reparar esse erro? Como? Dever de casa para todos nós! ;-)

Não pude deixar de me lembrar de Amélie, querendo reger a justiça do mundo, colocando as coisas em seus devidos lugares. No caso dela, deu certo. Nem sempre dá...rs

Ótimo sábado para todos nós! 

A imagem veio daqui


4 comentários:

Jeferson disse...

Bom dia Via!
Sempre tive problemas pra interpretar a Justiça... Acredito que por conta dessa coisa subjetiva que ela possui, mas sempre interpretei ela como sendo 'você colhe o que você planta, nem mais, nem menos'; ou também como um alerta ao equilibrio, que atualmente está tão ausente na sociedade. Gente se engalfinhando por pouca coisa, etc etc etc.
Apesar desse problema de interpretação, gosto muito dessa carta. Me passa uma sensação de constância, de segurança, onde tudo que se faz terá uma retribuição. Obrigado Via!
Ah, e lindissima essa Imagem Cacau *-*
Besos

Anônimo disse...

Cláudia, eu não sei se o espaço aqui é apropriado para isso, mas gostaria muito de lhe fazer uma pergunta. Jogo tarot, mas aprendi sozinha, e meu conhecimento sobre as cartas não é muito profundo, mas já tenho muita intimidade. Entretanto, nos meus jogos, de sim ou não, ou de três cartas, as cartas têm vindo erradas. Há pessoas (no caso eu) que não têm vocação para jogar? Porque interpretar errado é uma coisa, mas as cartas sairem errado, é completamente diferente. Muito obrigada, um beijo! Juliana

Jeferson disse...

Como assim elas tem vindo erradas Juliana?! Acredito quenao existe certo ou errado, ainda mais com o tarot que eh um universo de possibilidades, detalhes e interpretaçoes. Pode ser que você esteja se ligando apenas em um dos aspectos do arcano... Exemplifique pra que possamos te ajudar de alguma forma. Também nao tenho tanta experiencia assim, mas to sempre buscando, procurando, aprendendo, pq como diz o Nei Naiff, nao é necessario ter vocaçao etc, basta conhecer os simbolos e ter a intimidade com seu baralho. E no seu caso, vc ja esta com meio caminho andado né?!
Força e nao desista! Continuemos sempre estudando, pq a cada hora o tarot nos surpreende!
Bjos e boa sorte a tds nos!
Jeff

Cacau Gonçalves disse...

Boa noite, amigos!

Boa noite, Juliana!
Vamos lá... Vou te falar como eu penso e sinto, de forma bem resumida:

1) acho que algumas pessoas possuem uma natural vocação para jogar e outras não. Isso é uma coisa. Outra coisa é o fato de se aprender, estudar e treinar. Vou te dar o exemplo de um músico. Mozart compôs aos 4 anos, ele nasceu com um dom! Um outro músico que estude desde cedo e com muita perseverança, mas não tenha o dom de nascença, nunca irá compor com o mesmo talento de um Mozart, mas, certamente, será capaz de tocar e compor obras belíssimas (talvez, não geniais, mas belíssimas) Quem tem o dom faz mais com menos esforço, que não tem o dom precisa se esforçar mais...

2) Não existe carta errada! A carta que sai sempre tem uma razão para estar ali, caberá a vc descobrir porque.

3) Aconselho a não esperar respostas de "sim ou não" em um jogo de tarot. Em primeiro lugar porque é preciso ter muito estudo, intuição e treinamento para definir o que é sim e o que é não dentro de cada jogo. Em segundo lugar porque isso mostra um jogo fatalista e eu creio que esse não seja o objetivo do tarot. Procuro sempre fazer perguntas mais abertas. Por exemplo, ao invés de perguntar "devo aceitar esta proposta de emprego?", melhor seria "quais as perspectivas que tenho pela frente se aceitar esta proposta de emprego?"

Volto a dizer, não existe carta errada! Se vc se concentra, se está conectada com a pessoa com quem vai jogar ou consigo mesma, a carta que sair está te enviando um recado, basta vc saber interpretá-lo.

beijo! :-)