2 de Ouros

sábado, 4 de janeiro de 2014

Bom dia! :-)

Me encantei tanto com a imagem que mesmo ela não estando bem enquadrada, resolvi postar...rs Porque a imagem faz todo sentido! Pelo menos pra mim e neste momento.

Sempre falamos que o 2 de Ouros é como uma teia: se você mover um fio, todos os outros também vão mexer, serão afetados de alguma forma. Isso nos dá uma visão da vida mais abrangente e mutável. E eu gosto disso.

Às vezes, somos resistentes e desconfiados... Ficamos pensando mil vezes para fazer algo. Com isso, sem percebermos, estamos estagnando uma determinada energia, impedindo que ela circule.

O mundo é mutável. A vida é mutável. O ser humano é mutável. Mas prevalece a ilusão de que podemos (e devemos) segurar o tempo e os fatos nas mãos, para que tudo fique, exatamente, naquele mesmo lugar pra sempre. 

O oposto da vida é a estagnação, a inércia. Morrer é parar de se transformar. E vemos isso acontecer com frequência em vida. Pessoas que pararam de viver porque não querem mudar nem a si e nem ao que as cerca.

Quando conseguimos ter a leveza e a confiança, tudo fica mais fácil. Segurança é um conceito bem relativo. Se fixamos nossa segurança em algo externo, ela é pura ilusão. A segurança deve ser interna e isso pode ser complexo em um mundo tão materialista, já que se trata de uma percepção abstrata.

Mas voltemos à imagem...

Aqui temos o 2 de Ouros, representado pelos dois pentagramas. Ouros é terra, é sólido, concreto... e muitas vezes é tão concreto e material que resulta em falta de movimento. Mas se repararmos bem, há um vento soprando as folhas em volta da moça. Temos, então, o elemento ar. Ele traz movimento, mudança. Não é à toa que temos expressões como "ventos de mudança", "mudança de ares". A moça está meditativa e isso também está relacionado ao elemento ar: o acalmar e esvaziar a mente.

Então, temos aqui tanto o caminho concreto da terra, a atitude a ser tomada que poderá desencadear outras situações, como temos os ventos trazendo novidades. A ousadia que não existe em terra, existe no ar. E esses dois elementos, aparentemente incompatíveis, têm condição de funcionar muito bem juntos.

Como estamos no sábado, lidando com as energias de Saturno, que ainda será nosso companheiro regente até março, vamos focar tudo isso nas questões profissionais e nos projetos. O que de concreto devemos realizar para que todo um quadro, aparentemente parado, mude? Qual o fio que devemos puxar para que toda a teia se mova em uma direção benéfica?

Vamos nos lembrar das tempestades de areia que mudam completamente o relevo de um lugar... Criam morros, desfazem morros... E tenhamos a leveza do ar e a praticidade da terra. E esse terá sido um ótimo aprendizado para o dia de hoje.

Ótimo sábado para todos nós! :-)

A imagem veio daqui

2 comentários:

Fernando Augusto disse...

"A esperança equilibrista
Sabe que o show
De todo artista
Tem que continuar..."

Um ato simples, disciplinado, repetido ao longo do tempo, faz ao longo da jornada toda a diferença e não precisamos entender em profundidade a teoria do caos ou o efeito borboleta para saber disto. A questão é que o Louco que nos visitou ontem e que rege este ciclo atual não se interessa muita pela disciplina de atos que se repetem, se ele tem uma disciplina é justo ao contrário: atos que nunca se repetem e que assim valorizam a sua criatividade.

Como resolver esta contradição?

Olhando pro céu vemos que a Lua está em Aquário, o louco do Zodíaco, portanto ela é de fato lunática.

Há uma reunião de planetas em Capricórnio: Sol, Vênus, Mercúrio e Plutão que confere uma energia de seriedade e de trabalho.

É possível combinar a loucura de um com a disciplina do outro?

Claro que sim! Trata-se aqui de uma questão de flexibilidade. Você é uma pessoa flexível e ao mesmo tempo possui força interior? Você rígida demais ou relaxada em demasia? Aqui temos que buscar esta equilíbrio entre força e descontração, entre tensão e relaxamento.

Se olharmos a carta antes do Louco veremos o stress do 10 de paus. Então nos parece que o Louco veio para aliviar o stress para que pudéssemos encontrar então o nosso ponto de equilíbrio e entre o bêbado e o equilibrista vamos seguindo.

Notem que a imagem do 2 de ouros fala justamente deste equilíbrio entre dois fazeres, entre dois trabalhos, entre dois estilos de ser.

Fica aqui uma clássico da Música Popular Brasileira, música que marcou história:

http://www.youtube.com/watch?v=6kVBqefGcf4

Sinto muito, me perdoa, te amo, sou grato.

F.A.

Clara disse...

MUITO BEM, MUITO BOM!!!
"EXCELENTE Final de Semana"
Grata