8 de Copas

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Bom dia! :-)

Hoje vamos ter coisinhas diferentes por aqui...rs É que, por um lado, esta imagem aqui ao lado representa a forma exata que eu enxergo o 8 de Copas. No entanto, por outro lado, ontem eu tive acesso a uma frase linda - poesia pura! - que se encaixa na outra imagem que vou postar mais abaixo.

Então hoje será assim: um Arcano, duas imagens! ;-)

Agora vamos lá... Olhem bem para este monge... Sintam que, apesar do barulho da água caindo, ele parece envolto em um grande silêncio. É que neste momento ele está submerso dentro de si. Suas emoções, expressas pela cachoeira, estão pulsando, mas ao invés de ele lançá-las para fora, ele lida diretamente com elas.

Engraçado que dificilmente se identifica a palavra "coragem" associada a este Arcano. Mas eu afirmo que para lidar com a energia do 8 de Copas é preciso ter um tanto de coragem, sim! A maior parte das pessoas prefere ficar olhando pra fora, prestando atenção no que os outros fazem, fazendo fofoca da vida alheia... Porque olhar pra dentro de si ninguém quer, né?

No tarot mitológico, Psiquê desce ao mundo de Hades no 8 de Copas. ela poderia ficar quietinha no canto dela, poderia procurar outro marido, já que Eros foi tão temperamental...rs Mas não! Ela quis resgatar este amor e esta relação e aceitou todos os desafios impostos por Afrodite (essa sogra não é mole não!rs) Quando desce ao Hades, Psiquê garantias de que vai voltar, mas ainda assim lá vai ela! É uma mistura de amor, entrega, coragem e necessidade de se redimir por algo errado que fez.

Normalmente, quando encaramos o 8 de Copas, estamos sendo chamados a rever algo que fizemos de errado. Não precisa ser um erraaaado! Pode ter sido um pequeno engano, uma distração, pode ser mesmo o oposto: não fizemos algo que deveríamos ter feito. Então somos chamados a olhar pra dentro, mergulhar, reavaliar, digerir o fato passado e tirar dele algo melhor que foi tirado da primeira vez.

Cada um com seu trauma, né? rs Eu não tenho problemas com o 8 de Copas... Tem gente que não gosta mesmo! Eu levo tranquilamente... Meu problema em Copas é mesmo o 5...

Bem, mas aí tem a frase linda que li ontem. Cá está ela: “Somente à noite podemos sentir o perfume da água claramente. O sol tem odor demais para permitir que a água iluminada por ele nos deixe sentir o seu.” (Essências e Alquimia - Mandy Aftel)

E aí vem a imagem perfeita!

E junto com ela a conclusão de que todo banho mágico deve ser tomado a noite e não de dia. Para que possamos sentir o perfume da água. Claro que não é o "perfume" de cloro da água tratada, né? rs E por isso a importância de providenciar água de rio, mar ou fonte quando se faz um banho ritualístico.

Transmitida a poesia, o mistério e a dica! ;-)

Ótima quarta-feira para todos nós!

PS: Maryssol veio me alertar - isso é que dá fazer postagem meia-noite, caindo de sono - onde se lê Perséfone, na verdade é PSIQUÊ. ;-)

A imagem veio daqui e daqui

4 comentários:

Juliana disse...

Clau, muito obrigada por essa postagem linda. Ando numa fase muito "8 de Copas" e só hoje, depois de ler seu texto, é que pude perceber isso claramente. Bebi cada linha sentindo o perfume fresquinho desta água (embora aqui já sejam 11h30 da manhã, mas de qq forma não tem muito sol... rsrs).
Também gosto do 8 de Copas e acho que, quando entendemos sua mensagem, o resultado é um autoconhecimento e uma serenidade ímpares. Que possamos trilhar o caminho a que ele nos convida e aproveitar, mais uma vez, da sabedoria destas águas.
Beijos, sou grata!!
Ju

Fernando Augusto disse...

A exigência do amor verdadeiro é não temer a morte.

Por que razão a descida ao mundo interior é tão perigosa? Por que ela é tão temida? Por que as pessoas temem e se agoniam diante do silêncio e da introspecção profunda? Por que as pessoas resistem a solidão, ao silêncio, à meditação e ao mergulho no próprio inconsciente? Por que nos apavoramos diante do desconhecido de nós mesmos?

Penetrar no mundo interior, no mundo de Hades e Perséfone é morrer.

E aqui trata-se de algo maior que a morte física, pois não há retorno para quem adentra no mundo interior, como nos disse Dante em sua Divina Comédia:

"Ó, vós que entrais, abandonai toda a esperança..."

Ninguém volta, não há retorno, pois ocorre uma profunda transformação no ser e aquele que foi já não será mais o mesmo. Este é o resultado de um profundo contato com o mundo interior. Ocorre uma morte mística, uma transformação interior.

Então o que as pessoas temem no 8 de copas? Temem perder o senso de identidade do falso ego.

E o impulso amoroso verdadeiro é a força real que promove este mergulho.

Então o critério real para o amor verdadeiro é uma mudança estrutural em nosso ser, por isto que Psiquê após descer ao Hades e de lá retornar pode empreender o casamento real com Eros.

A alma humana só pode amar de fato se mergulhar nos mais profundos recônditos de si mesma e de lá sair transformada.

Assim o amor é amor pelo conhecimento de si, pelo auto-conhecimento e isto explica bem o nosso amor por este livro-espelho da Sabedoria que é o Tarot.

Sinto muito, me perdoa, te amo, sou grato.

F.A.

Clara disse...

Boa Tarde JU.
Você é advogada?
Se for por favor me responda para este email cigana1001@hotmail.com
Grata.
Desculpe Tio Fê, é que estou com uma URGENCIA.

Leonardo Andrade disse...

roubei a frase. rs