6 de Copas

terça-feira, 15 de abril de 2014

Bom dia! :-)

Existe certas coisas que estão tão "na cara" que a gente não percebe... Ou prefere não perceber. Depois desta saga do problema nos olhos (aproveito para avisar que meus óculos ficaram prontos, vou pegá-los amanhã; que venho fazendo os exercícios para os olhos ensinados no livro "A saúde de seus olhos" de Ney Chaves e que já encomendei um colírio fitoterápico desenvolvido por um oftalmologista de São Paulo para redução da pressão intra ocular), ontem me peguei com "a boca na botija"...rsrsrs

Eu estava vendo a pia cheia de louça suja e uma bagunça federal deixada pelo sócio que fazia nosso precioso kefir e pensei "ai, vou fingir que não estou vendo nada, senão me stresso". Prestaram atenção na frase: não ver nada! Pois é...

É claro que não vou dizer que foi só por conta deste pensamento que os olhos andam enxergando menos... Mas está claro que deve ter muita coisa que eu, simplesmente, não estou querendo enxergar.

Da mesma forma, eu percebi que o 6 de Copas não aparece por aqui desde outubro do ano passado. Vocês sabiam? E o que aconteceu em outubro do ano passado? Eu estava arrumando a nossa mudança, estava deixando para trás os canteiros de ervas medicinais e, de certa forma, a esperança de que não precisasse retornar para a prefeitura de São Lourenço. E o que é o 6 de Copas? É a alegria, é o encantamento, o prazer das pequenas coisas que nos deixam felizes. E durante este tempo todo em que eu estive em suspensão, sem casa e sem destino, ele sumiu. Mas o fato de ter reaparecido agora, creio, é um bom sinal.

Assim que eu vi esta imagem eu me lembrei - adivinhem? - do sócio, claro...rs

E me lembrei das bebidas sagradas, das muitas que existem em todo o planeta, e nos colocam em conexão com a Divindade exterior e interior. A proposta hoje é reconectar! Reconectar com o nosso Deus Interior para que este contato profundo com nossa essência possa resgatar a alegria mais pura que existe, a alegria do aqui e agora, a alegria de viver.

Como estamos em uma terça-feira de Marte, vamos fazer isso com todo amor e intensidade! Hmmm ... Paixões! Muito bom! Bom demais! ;-) Que os prazeres e as boas lembranças sejam nosso alimento e a alegria contagiante os melhores resultados.

Ótima terça para todos nós! :-)

A imagem veio daqui


2 comentários:

Aldo Luiz Fonseca disse...

Tudo é Divino. E assim, com esta consciente petição faxinante de (e em) nosso traiçoeiro subconsciente egoico, em perdão a nós mesmos, podemos nos manter no presente, no agora de permanente amor, sem medos e receios "misteriosos". Só recebendo bençãos e a rota certa em direção ao infinito de amor incondicional vindo da Fonte em perene expansão para o nosso bem e o bem de todos. Dá para ver isto quando recitamos a petição abaixo em momentos de pias com louças cheias fora do presente.

Voltamos ao infinito "vazio" das pias sempre limpas de memórias atrapalhantes onde devemos permanecer para receber as inspirações vindas da Luz. Beijos, Cacau e Sócio. Vos amo e sou grato. Sinto muito, me perdoem.

“Divino Criador, pai, mãe, filho em um...
Se eu, minha família, meus parentes e ancestrais lhe ofenderam,
à sua família, parentes e ancestrais em pensamentos,
palavras, atos e ações do início da nossa criação até o presente,
nós pedimos seu perdão...
Deixe isto limpar, purificar, liberar, cortar todas as lembranças, bloqueios,
energias e vibrações negativas
e transmute estas energias indesejáveis em pura luz...
E assim está feito.”

Morrnah Nalamaku Simeona
Criadora do Ho’oponopono Identidade Própria é a autora da petição.

Fernando Augusto disse...

A realidade é uma interpretação.

Comentário em http://viatarot.blogspot.com.br/2014/04/6-de-copas.html

Pois ela é vasta, infinita e o seu olhar alcança até aonde?

Até a guerra?

Até a paixão?

Até o sangue?

Ou até o fogo que arde em todos os corpos?

"Ateei o fogo e eu vigio até que ela arda."

Sou Marte, sou guerra e paixão, como vais me empregar?

Se o Sol se opõe a Lua neste eclipse é porque o conúbio astral é mais intenso no escuro e a promessa da intensidade é tão grande que ela enrubesce, portanto esta não é ou nem precisa ser uma lua sangrenta, mas apaixonada, apocalíptica sim, para revelar o amor como um intento. Ainda mais tendo Marte conjunto com a própria Lua.

Os amantes também se opõem para poder amar.

A grande cruz no céu com todas as suas tensões pode ser um grande tesão até por que a cruz é cruza, união, encontro e não necessariamente encontrão, sempre foi um antiquíssimo símbolo fálico representando a união dos opostos, homem e mulher.

Cruz, teu símbolo foi interpretado como dor, por quem? Cada um carregue a sua cruz, mas a minha é feita de amor, também.

Assim, já foi dito: faça amor, não faça a guerra por Marley ou por Lennon, vozes do passado tão presentes, como é a energia do 6 de copas, a reatualização do amor, a saudade e o prazer que se refaz.

Então cantai, cantai isto para a Lua Vermelha com 6 taças a brindar:

Faça amor, não guerra
Eu sei que você já ouviu isso antes
Faça amor, não guerra
Eu sei que você já ouviu isso antes

Ouça a música, cante para a Lua Vermelha num intento de cura.

https://www.youtube.com/watch?v=dmkAuTQ8Sc4

Em qual taça você quer sorver a vida, vida que é a tua e de mais ninguém?

Lembre-se, a realidade é uma interpretação. A escolha é sempre tua, nossa e se fores tomado pela felicidade não tente entender, viva-a, pois esta verdade pessoal é a cura do mundo da dor, é a tua criança interior que acena para ti.

Nosso olhar pode alcançar o infinito quando mergulha dentro de nós mesmos.

Sinto muito, me perdoa, te amo, sou grato.