A Rainha de Espadas e o Amor - Parte 3

quinta-feira, 7 de agosto de 2014


Quando batizei esta série de artigos de A Rainha de Espadas e o Amor, a ideia foi olhar para as questões de relacionamento sob uma perspectiva mais mental e analítica, mas ainda assim feminina. A Rainha de Espadas pensa, analisa, elabora e escreve (eu? rs) Mas ela não deixa de ser uma Rainha, ela não deixa de ser uma mulher. Mas é uma mulher que possui o domínio do Ar, dos pensamentos e das palavras.

Depois que escrevi a parte 2, fiquei refletindo sobre algo: talvez, o relacionamento entre homens e mulheres não seja tão desafiador quanto parece e talvez 90% das dificuldades estejam concentradas no setor da comunicação. Quem sabe? Podemos sentir parecido mas expressar diferente e aí começa toda a bagunça.

Existem algumas linhas de análise que associam a inteligência à capacidade de comunicação. Se considerarmos isso como uma verdade absoluta, ficaria comprovado que mulheres são mais inteligentes do que homens...rsrsrs Não... Não quero começar uma guerra dos sexos, apesar de que isso pode ser bem engraçado, se for levado como brincadeira ;-)

Trabalho com consultas há 16 anos. Cerca de 95% dos meus clientes são mulheres. No entanto, sempre tive muitos amigos homens e sempre fui aquela pessoa que, naturalmente, atrai pessoas que começam a contar seus segredos e intimidades, sejam homens ou mulheres. Tudo isso me proporcionou uma bagagem, um acervo de experiências relatadas muito grande. E percebo que sempre se repetem alguns conflitos e dúvidas na relação entre homens e mulheres. Hoje, venho aqui falar do que supostamente chamam de amor romântico e que anda fazendo papel de Geni nos últimos tempos. É tanta gente tacando pedra e outras coisas no conceito de amor romântico, que sempre me pergunto por que tipo de sofrimento essas pessoas andaram passando, que deixou tantas marcas.

Vejam... Não estou aqui dizendo que acredito em Príncipe Encantado (só no de Copas, que já nos visitou quatro vezes nos últimos tempos...rsrsrs), nem estou dizendo que todos temos uma alma gêmea que vai bater a nossa porta e nos pedir em casamento. Não. Não acredito em relações afetivas que dão certo do nada! Vivenciar o amor dá trabalho e quem tem preguiça pra isso, sinceramente, aconselho a desistir de namorar... Arruma um desses jogos virtuais em que se cria parceiros de acordo com nossa divina vontade e faça bom proveito!

Alguém acredita que se não estudar loucamente vai passar em um concurso público federal, daqueles com salários de 5 dígitos? Alguém acredita que se não for correr, malhar na academia ou praticar um esporte vai conseguir ficar em forma, com músculos bem torneados? Alguém acredita que se ficar em casa vendo TV, no final do mês vai ter uma grana alta entrando na conta bancária? Bem, então como se pode acreditar que o simples fato de amar alguém (e ser amada por essa pessoa) vai resultar em um relacionamento afetivo feliz?

Pois bem... Voltando à questão do amor romântico.

Sou, definitivamente, contra o processo de criar ilusões sobre as relações de amor. Mas tenho consciência de que somos nós que criamos nossas relações, então, está em nossas mãos tansformá-las seja lá no que for. E o maior desafio é: para fazer isso, é preciso de dois e não somente de um. Isso quer dizer que não adianta você preparar uma comidinha gostosa para o seu amor, para recebê-lo de volta quando ele viaja a trabalho, nem adianta fazer massagem nos seus ombros quando ele está tenso e nem adianta você compartilhar todas as suas mais novas descobertas intelectuais com ele, se ele não está nem aí pra tudo isso, ou se usufrui de tudo isso, mas não sente vontade de fazer o mesmo por você. Ok, no amor não deve haver cobrança... Mas se não há a vontade legítima de ver o outro bem e feliz, então, creio, não é amor.

E aí vou chegar naquele ponto... O ponto da comunicação. E também o ponto do amor romântico e de todos os alimentos existentes para isso: músicas, filmes, livros...

O que vou falar a partir de agora é expressão do que eu sinto, não ouso representar todas as mulheres, até porque sei que muitas funcionam de um modo bem diferente do meu. Mas a quem interessar possa, cá está a minha visão de tudo isso...

Quando ouço a Adriana Calcanhoto cantar:

"Entre por essa porta agora
E diga que me adora
Você tem meia hora
Pra mudar a minha vida"

Eu fico totalmente encantada! Porque "o meu coração dispara"...rs Dispara em pensar em algo assim, intenso e arrebatador. Sorry, Marte em Escorpião na casa 1 :-) Mas isso é um deleite do coração, da alma, do sonho. Porque, sinceramente, se uma pessoa entrar pela porta da minha casa dizendo que me adora e querendo mudar a minha vida em meia hora, eu acho que vou chamar a ambulância da Saúde Mental!!!! rsrsrs Vocês estão me entendendo? Não é que eu queira isso em termos práticos, exatamente desse jeito... Eu quero a sensação disso... Eu quero sentir que o outro me quer assim, intensamente... Quer estar presente na minha vida, quer trazer mudanças, crescimento, alegrias...

Outra música, do Barão Vermelho, que pode causar polêmica se for interpretada de modo literal:

"Ser teu pão, ser tua comida
Todo amor que houver nessa vida
E algum trocado pra dar garantia"

Como diz meu amigo Manu - Opa! PERA! - não dá pra administrar uma vida assim. Amor não paga aluguel, não paga luz, água, telefone. Um relacionamento inclui responsabilidades bem práticas e materiais. No entanto, que gostosura imaginar o bonitão querendo nos nutrir com o seu amor! Tentador!

Eu adoro esta música da Marisa Monte, mas sempre faço uma ressalva:

"Eu só quero que você caiba
No meu colo, porque eu te adoro cada vez mais
Eu só quero que você siga para onde quiser
Que eu não vou ficar muito atrás"

Como assim, eu quero que você siga para onde quiser? E o encontro que a gente marcou??? rsrsrs Ou seja, é claro que eu quero ser uma pessoa livre, plena, completa em mim mesma e quero o mesmo para o outro. Mas se não há o encontro físico, o que há de relação? Não, já fui mais platônica, hoje não sou...rs É lindo quando os caminhos se cruzam e surge o amor, mas para que o amor se transforme em relacionamento amoroso há que se investir na criação de tempo juntos, compartilhando, interagindo.

Ok, por agora está bom, né? :-) Mas tenham a certeza de que virei aqui fazer uma boa continuação com filmes. Será minha vingança pessoal às pessoas insensíveis que falam mal das comédias românticas! rsrsrsrs

2 comentários:

AugustoCrowley disse...

Uauuu! Arrasou, concordei com tudo. Escorpiano nato, é desse jeito que sinto, que espero, que acredito, mesmo estando hoje na solitude. A
Adriana Calcanhoto foi muito feliz em cantar esta canção, de fato ela mexe com nossa psiquê.Beijao!

Aldo Luiz Fonseca disse...

Eu gosto de ir quando você, também, quer...

Eu gosto que venha quando você, também, quer...

O AMOR não tem oposto...

"Sinto muito, me perdoe, te amo, sou grato.